Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

D
S
T
Q
Q
S
S
2
3
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
29
30
31
 
 
 
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Aves e Agricultura > Pastagens
imprimir

Pastagens
A composição do mosaico pode variar de região para região devido, sobretudo, a diferenças nos solos e nas condições climáticas.

Em geral, as espécies de aves associadas à planície cerealífera são altamente dependentes destes meios para sobreviver. Aproximadamente 80% das espécies de aves das planícies cerealíferas apresentam um estatuto conservação que exige a atenção da UE e algumas estão já ameaçadas de extinção. 

Práticas de Gestão 
  1. Manter uma rotação que inclua cereais de sequeiro (mínimo 25%), pousios e pastagens (mínimo 40%) e leguminosas (mínimo 5%), conforme a produtividade dos solos.
  2. Manter uma faixa de cereal (de sequeiro) não mondada em redor da parcela, com uma largura mínima de 8 metros (ou 5 a 10% da área da parcela). Nas culturas sob center- pivot manter uma faixa não mondada com cerca de 6 metros de largura (ou 2 a 3% da parcela).
  3. Ceifar o cereal e forragem preferencialmente após 15 de Junho.
  4. Quando detectar um ninho de Abetarda ou Águia-caçadeira deixar uma faixa não cortada de 2m em redor do mesmo.
  5. Ceifar do meio para a borda ou na direcção de uma margem livre (sem muros, sebes, diques, estradas ou habitações), para não encurralar ninhadas.
  6. Manter os restolhos e resíduos vegetais das culturas de sequeiro e regadio, não queimados e não mobilizados até às “águas novas”.
  7. Manutenção das parcelas em retirada de terras ou em pousio, não intervencionadas entre 1 de Abril e 30 de Junho. Efectuar o controlo da vegetação na parcela até 30 de Março (mobilização do solo ou corte da vegetação). Qualquer intervenção posterior só deverá ser feita a partir de 1 de Julho.
  8. Manutenção de uma parcela de pastagem com um mínimo de 10ha guardada durante dois meses e meio (entre 1 de Abril e 15 de Junho). Não efectuar qualquer intervenção na pastagem durante o período reprodutor das aves (o gado pode pastorear esta parcela antes e depois deste período).
  9. Nas parcelas de pastagem (natural ou semeada) manter um encabeçamento máximo de 1 Cabeça Normal / ha.
  10. Efectuar sementeira de determinadas leguminosas (ex: grão-de-bico, luzerna, ervilha-forrageira, ervilhaca, sanfeno, etc.) pode ser simultaneamente vantajosa para as aves, para o solo e para o agricultor.
  11. Garantir uma cobertura mínima de 80% da parcela. As leguminosas de Inverno deverão ser mantidas no terreno até 15 de Março e as de Primavera até 31 de Julho (podem ser posteriormente colhidas ou pastoreadas).


Autores das Fotografias: Gabriel Sierra e Juan M. Simóler; Faísca; Helder Costa; Jorge Rodrigues; José Viana; Júlio Caldas; Ricardo Guerreiro; Joana Andrade; Nuno Madeira.


voltar



Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com