Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

D
S
T
Q
Q
S
S
2
3
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
29
30
31
 
 
 
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Aves e Agricultura > Cercas, armazéns
imprimir

Cercas, armazéns
As infra-estruturas criadas pelo Homem no espaço rural podem ser usadas por espécies comuns e por outras já adaptadas aos meios humanos. Estas infra-estruturas devem estar o mais possível concentradas, por forma a reduzir custos, aumentar a funcionalidade e contribuir para a existência de importantes espécies de aves que necessitam de habitat aberto sem perturbação.

No caso especial dos edifícios há muito abandonados, com uma utilização esporádica ou nula, podem ser utilizados por espécies que criam em cavidades. 

Práticas de Gestão 

Os seguintes aspectos devem ser levados em consideração, ainda na fase de projecto: 
  1. Os armazéns, parques de máquinas e parques de gado devem ser localizados junto de estradas ou caminhos principais. Quando tal não for possível, localizá-los junto a culturas permanentes, na periferia das áreas abertas. Não devem ser construídos em plena área aberta.
  2. A área mínima para instalar cercas deve ser de 10ha, abaixo desta área o território fica demasiado fragmentado. A altura máxima para cercas dentro de áreas abertas deverá ser de 1,5 m.
  3. A abertura de novos caminhos rurais, acima de 3 m de largura, deve ser projectada para a periferia ou bordadura das áreas abertas.
  4. A limpeza e beneficiação das bermas de caminhos rurais deverá ser feita fora da época reprodutora sempre que isso acarrete cortes de vegetação.
  5. Devido ao impacto visual negativo que algumas infra-estruturas podem ter na paisagem (quando a arquitectura não é a tradicional), dever-se-ão criar cortinas de vegetação (arbustos ou árvores) adaptadas à volumetria da construção e empregando espécies autóctones.
  6. A existência de jardins e hortas diversifica a oferta de refúgio e alimento para as aves.
  7. No Verão é muito útil a existência de um bebedouro acessível aos pequenos pássaros.
  8. Nos casões e armazéns a manutenção de janelas e porta superiores abertas possibilita a sua utilização por corujas e andorinhas.
  9. Os edifícios em ruína, não usados ou isolados, devem ser consolidados para evitar a derrocada total. A abertura de cavidades e instalação de caixas ninho possibilita a instalação de espécies ameaçadas.


Autores das Fotografias: Gabriel Sierra e Juan M. Simóler; Faísca; Helder Costa; Jorge Rodrigues; José Viana; Júlio Caldas; Ricardo Guerreiro; Joana Andrade; Nuno Madeira.


voltar



Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com